PAUSA FORÇADA

Após um período de relutância à compreensão de que nós, brasileiros, também seríamos atingidos pela pandemia do Novo Coronavirus (COVID-19), encontramo-nos neste momento ainda em fase de perplexidade, e aparentemente paralisados diante das determinações dos órgãos governamentais de saúde, de reclusão, de cautelas extremas, etc., visando evitar a rápida propagação do vírus.

Podemos dizer que estamos só “aparentemente” paralisados, por que todos nós, advogados, associações de advogados, OAB, magistrados, associações de magistrados, desembargadores, ministros, enfim, todos que orbitam em torno das atividades dos tribunais de justiça, estamos preocupados e discutindo virtualmente a busca de formas de dar continuidade aos processos judiciais, desde que não impliquem quebra das orientações ministradas pelas  autoridades de saúde, nem exponham nenhum cidadão ao risco de contágio.

Embora seja enorme o desafio, porém, com as demonstrações de compromisso profissional e comprometimento social dos envolvidos, acreditamos que poderemos encontrar solução para que essa quarentena não seja totalmente perdida, pelo menos em parte dos casos.

Por ora, a nossa recomendação é que sigamos as orientações das autoridades sanitárias e colaboremos para que a propagação do vírus seja dificultada, o que permitirá a normalização da vida em menor espaço de tempo.

Estaremos sempre atualizando as informações.     
 
 
Editorial, 20.MARÇO.2020 | Postado em Geral
  • 1
Exibindo 1 de 1